Praias

Lagoa da Conceição

Cartão postal da Ilha, localizada entre uma cadeia de montanhas, áreas de restinga e o mar, a Lagoa divide-se em duas partes: a Lagoa de Dentro, ao sudoeste, e a Lagoa de Fora, ao nordeste. Estas duas partes são separadas por um estreito no qual foi construída uma ponte que liga as margens do leste a do oeste. A localidade tem vida noturna intensa o ano inteiro, principalmente no centrinho, com diversos cafés, bares e restaurantes, geralmente especializados em frutos do mar.

Há também o comércio de artesanato, principalmente as tradicionais rendas de bilro, comércio este que se concentra na avenida das Rendeiras. Além do comércio e do turismo, a Lagoa cada vez mais se torna um polo cosmopolita de negócios em diversos setores. Existem vários sambaquis em torno da Lagoa. Pode-se citar um na Costa da Lagoa, outro no Canto dos Araçás, e o mais famoso na Ponta das Almas. Este último foi estudado por pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina.

Lagoa de águas salgada e calma é ideal para a prática de esportes aquáticos como o windsurf, kitesurf, caiaque, jet-ski e barcos a vela. No local também é possível a prática de outros esportes radicais como o sandboard, wakeboard, parapente, asa delta, pedalinho e pesca.

Como chegar: Fica a 12 km do centro, seu acesso se dá através da Avenida Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC), seguindo pela SC 404 (sentido praias do norte). No elevado do Itacorubi, vire à direita. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia da Joaquina

A denominação da praia é recente, aparecendo pela primeira vez em mapas a partir de 1975. O nome teve origem de uma lenda na qual uma velha rendeira, de nome Joaquina, estava em suas areias fazendo suas rendas, quando foi tragada por uma enorme onda. Até então, era chamada de Praia do Campeche. A Praia da Joaquina pertence ao Distrito da Lagoa da Conceição. Possui 3.000 metros de extensão e sua largura varia de 8 a 70 metros. A Praia da Joaquina, ou Joaca, como é carinhosamente chamada, foi descoberta por surfistas, primeiro os brasileiros e depois os estrangeiros, a partir da década de 1970. Com mar agitado e excelentes condições para a prática de surf, a Joaca é cenário de diversos campeonatos nacionais e internacionais de surf. Conta com boa estrutura para banhistas, com sanitários, chuveiros, posto policial, salva-vidas, iluminação noturna, etc. A praia da Joaquina é também conhecida pelo criativo "surf sobre as dunas" ou sandboard, uma variação do surf tradicional e que acontece sobre as grandes e belas dunas que contornam a praia. A praia tem início no final da Praia do Campeche e o término na Ponta do Retiro.

Como chegar: Fica a 15 Km do centro, seu acesso se dá pela Avenida Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC), seguindo pela SC 404 (sentido praias do norte). No elevado do Itacorubi, vire a direita, sentido Lagoa da Conceição. Siga até o final da Avenida das Rendeiras e continue pela estrada geral da Joaquina. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia Mole

Considerada uma das praias mais belas de Santa Catarina, a Praia Mole é um reduto de gente jovem e bonita. Seu nome é devido à areia solta e macia. Com seu mar agitado e belas ondas, é freqüentada principalmente por surfistas e praticantes de parapente, que aproveitam a encosta sul como rampa de decolagem. A praia sedia frequentemente campeonatos nacionais e internacionais de surf. Possui estacionamentos, chuveiros e sanitários. Outro atrativo são os vários barzinhos à beira-mar. As opções são variadas, desde os sanduíches naturais, petiscos de frutos do mar ou mesmo a sofisticada gastronomia. Há estabelecimentos que funcionam o ano inteiro. Além das fortes ondas causadas pelo mar aberto, a Mole tem características de tombo, ou seja, a profundidade aumenta rapidamente, após uns poucos passos em direção ao mar. Por isso todo o cuidado é pouco, principalmente com as crianças. Embora a praia conte com um dos postos Salva-Vidas mais bem equipados da Ilha, não vale a pena arriscar, e todo o cuidado é pouco.

Como chegar: Fica a 15 Km do centro, seu acesso se dá pela Avenida Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC), seguindo pela SC 404 (sentido praias do norte). No elevado do Itacorubi, vire a direita, sentido Lagoa da Conceição. Siga até o final da Avenida das Rendeiras, em seguida vire à esquerda, subindo o morro. Após a descida do morro, chega-se à Mole. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia da Barra da Lagoa

Importante núcleo pesqueiro da Ilha de Santa Catarina, a Barra recebe a cada ano, um número maior de turistas atraídos pelas belezas naturais, e pela cordialidade de seus moradores. O mar possui pequenas ondas, que permitem a prática do surf para iniciantes. De qualquer maneira, um posto Salva-Vidas mantém a segurança na praia. Outra atração é a ponte de ferro que passa por cima do Canal da Barra, que liga o mar à Lagoa de Conceição.

Do outro lado, uma pequena trilha que passa entre as casas da comunidade e dá acesso à Prainha, uma pequena enseada cercada por enormes rochas e sítios arqueológicos que formam piscinas naturais de águas transparentes. A pequena praia fica entre rochedos que são utilizados pelos “vigias”, pescadores experientes que ocupam as partes altas do morro para avistarem os cardumes de peixes. É popular entre os trilheiros e que fica bastante ocupada durante o verão.

Possui várias opções de pousadas, casas de aluguel, camping, bares e restaurantes, alguns à beira mar, onde é possível apreciar frutos do mar fresquinhos, degustados em mesas dispostas na areia da praia. O local preserva fortemente as tradições açorianas, com seu folclore, construções e seus pescadores.

Como chegar: Fica a 20 Km do centro, seu acesso se dá pela Avenida Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC), seguindo pela SC 404 (sentido praias do norte). No elevado do Itacorubi, vire a direita, sentido Lagoa da Conceição. Siga até o final da Avenida das Rendeiras, em seguida vire à esquerda, subindo o morro, passe pela Praia Mole. Passe pela ponte sobre o canal da Fortaleza da Barra e mantenha sempre pela direita. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Costa da Lagoa

A Costa da Lagoa tem toda sua região tombada pelo município como Área de Preservação Cultural. O lugar é considerado um dos últimos redutos da cultura açoriana, com um núcleo de pescadores e rendeiras que ainda vivem como seus antepassados. Isso é possível principalmente pelo difícil acesso. De qualquer forma que se vá, o destino final é o centrinho da Costa da Lagoa e a principal atração são os diversos restaurantes caseiros à beira da Lagoa, com pratos a base de frutos do mar. Sem infra-estrutura de luxo, e mão-de-obra familiar, o preço das refeições é bem acessível. Outra atração da Costa da Lagoa é a cachoeira, que fica perto da vila. A água gelada refresca os visitantes em dias mais quentes, porém em época de pouca chuva, o volume de água é bem menor. Com certeza é um dos lugares que o visitante que vem a Ilha não pode deixar de conhecer, pois só o passeio de barco que leva ao local, já vale à pena.

Como chegar: Saindo do centro, seu acesso se dá pela Avenida Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC), seguindo pela SC 404 (sentido praias do norte). No elevado do Itacorubi, vire a direita, sentido Lagoa da Conceição. Ao descer o morro da lagoa, são três opções: A primeira, é pegar uma embarcação da COOPERBARCO no trapiche de Serviços de Transporte, ao lado da ponte no centrinho da Lagoa. A partir dali são 40 minutos de passeio costeando a margem esquerda. A segunda opção é pegar uma embarcação da COOPERCOSTA, no trapiche existente dentro do Parque Florestal do Rio Vermelho. O acesso a este trapiche é feito por uma estradinha de terra transversal à estrada principal do Parque. A partir do trapiche são apenas 10 minutos de passeio, desta vez atravessando a Lagoa. A terceira opção é para os esportistas. A partir do final da Estrada Geral do Canto dos Araçás (após descida do morro da lagoa – lado esquerdo) - são dez quilômetros de trilha, na maioria plana, passando por dentro de Mata Atlântica preservada. Essa opção também é a mais cultural, uma vez que passa por diversas vilas e pelos antigos engenhos de farinha, preservados para ser atração turística.

Praia do Moçambique

A Praia do Moçambique fica junto ao Parque Florestal do Rio Vermelho, uma reserva de aproximadamente 400 mil metros quadrados com vegetação predominante de pinus. É a maior praia da Ilha com 7,5 Km de extensão com areias claras e fofas, quase intocadas, e seu nome é por causa de um molusco chamado Moçambique, semelhante à ostra, porém menor e que é facilmente encontrado na praia. É um lugar onde a ocupação urbana ainda não chegou, por isso é totalmente solitária, selvagem e sossegada, à espera dos aventureiros que vêm desbravar suas matas e acampar em seus campings. Com características oceânicas e o mar de tombo, suas ondas são fortes e a água é fria com forte salinidade.

A paisagem torna-se ainda mais árida com suas dunas que cortam a linha entre a vegetação rasteira e o oceano. Embora essas características não atraiam muitos banhistas, a praia, que costumava ser semi-deserta, fica razoavelmente movimentada na alta temporada, com muitos surfistas que vêm de outras cidades. Mesmo assim, ainda é uma das menos freqüentadas da Ilha.

Como chegar: Fica a 29 km do centro, seu acesso se dá pela Avenida Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC), seguindo pela SC 404 (sentido praias do norte). No elevado do Itacorubi, vire a direita, sentido Lagoa da Conceição. Siga até o final da Avenida das Rendeiras, em seguida vire à esquerda, subindo o morro, passe pela Praia Mole. Siga, passe pela ponte sobre o canal e mantenha sempre à esquerda. A Praia do Moçambique fica à direita da estrada que liga a Barra da Lagoa ao Bairro Rio Vermelho. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia da Galheta / Calheta

Mesmo localizada entre duas das praias mais movimentadas da Ilha de Santa Catarina, Barra da Lagoa e Mole, a Praia da Galheta é semi-deserta, com acesso por uma trilha de 300 metros, a partir da costa norte da Mole. Totalmente virgem, é ideal para quem curte a natureza em toda a sua extensão. Pequenas vertentes de água doce propiciam duchas refrescantes e revitalizadoras.

O verdadeiro nome da praia é Calheta, que por causa do sotaque manézinho virou Galheta, é uma das mais bonitas e especiais da Ilha. No canto esquerdo da praia encontram-se tesouros arqueológicos, como inscrições rupestres e oficinas líticas com idade entre 2000 a 5000 anos.

Com seus 950 metros de praia e protegida por um morro que a mantém isolada da estrada, a Galheta, desde a década de setenta, é frequentada por naturistas, embora a prática do nudismo nunca tenha sido obrigatória. Com o padrão de praias oceânicas: suas águas frias, e ondas fortes são bem procuradas pelos surfistas. A praia não oferece nenhuma infra-estrutura, portanto se possível, levar água e alimentos.

Como chegar: Fica a 15 km do centro mais 1 km de trilha, e seu acesso se dá pela Avenida Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC), seguindo pela SC 404 (sentido praias do norte). No elevado do Itacorubi, vire a direita, sentido Lagoa da Conceição. Siga até o final da Avenida das Rendeiras, em seguida vire à esquerda, subindo o morro. Após a descida do morro, chega-se à Mole. A trilha mais próxima pode se iniciar neste ponto. Outra opção é seguir rumo à Fortaleza da Barra (antes de passar a ponte que leva à Barra) à direita, e de lá fazer a trilha até a Praia da Galheta. Siga as placa indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia da Armação

O nome origina-se da antiga função da praia: servir de armadilha para baleias, atividade não realizada desde 1982. Atualmente as baleias franca são fortemente preservadas e o turismo de observação é fonte de renda para Santa Catarina. Ainda hoje, é uma das tradicionais colônias de pescadores que vivem da pesca artesanal. A Praia da Armação é bem tranqüila, e é no centrinho da Armação fica o comércio, pousadas, a vila de pescadores, seus barcos e os restaurantes na beira da praia. A Praia da Armação é um dos principais núcleos de pesca artesanal da Ilha, convivendo com o fluxo turístico e dos praticantes de surf. Durante o verão, o aumento da população fortalece as opções noturnas.

Possui também, um dos mais importantes sítios arqueológicos do estado. Com boa quantidade de ondas, mar mais violento ao norte e ao sul sem tanta força, não chega a ser perigosa para banho. Visitar a pequena Península que se forma entre as Praias da Armação e Matadeiro é recompensado com uma vista privilegiada destas praias e da Ilha do Campeche. Em dias de maré alta o acesso é só de barco. Na extremidade desta Península existe um costão onde se podem observar as ondas quebrando nas pedras, formando uma ducha natural. Ótimo ponto para se apreciar o pôr-do-sol.

Como chegar: Fica a 25 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Sul (via túnel – sentido sul da Ilha). Passe por cima do elevado da Seta e siga pela SC405 em direção à Praia da Armação. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia do Matadeiro

Localizada ao lado da Praia da Armação, a Praia do Matadeiro é separada por um rio que vem da Lagoa do Peri, e que pode ser atravessado a pé, ou por uma ponte construída recentemente, depois é só pegar uma trilha curta pelo morro. O nome da praia provém da época em que era permitida a caça às baleias na região. A praia tem serviço de bares e restaurantes, e fica aos pés do Morro do Matadouro, que tem a forma de um semicírculo, com vegetação exuberante. Uma praia com ondas fortes, muito repuxo, água fria e de muita salinidade. É muito procurada por surfistas mais experientes.

O caminho pitoresco e agreste atrai muitos turistas durante o verão. Inacessível para carros, a praia ainda conserva seus morros cobertos pela mata nativa. É um convite para os apreciadores da natureza, e fazer a trilha que sai do canto direito (olhando para o mar) da Praia do Matadeiro, até a praia da Lagoinha do Leste é um belo programa. A trilha requer um pouco de preparo, mas tem uma vista sensacional do Mar e da Ilha do Campeche. Reserve uma manhã inteira para essa caminhada.

Como chegar: Fica a 25 km do centro mais 1 km de trilha, e seu acesso se dá pela Beira Mar Sul (via túnel – sentido sul da Ilha). Passe por cima do elevado da Seta e siga pela SC405 em direção à Praia da Armação. Siga as placas indicativas. Acesso a pé pelo rio ou pela ponte.

Praia do Campeche

A origem do nome tem duas versões: originada de uma árvore, o Pau-Campeche de madeira corante. A outra seria a união das expressões francesas "camp" (campo) e "pêche" (peixe) - devido ao campo de pouso que o francês Saint-Exupery (autor de ‘O Pequeno Príncipe’) utilizava para escala. A princípio, as praias da Joaquina, do Campeche e do Morro das Pedras tinham um só nome: praia do Mandu. Foi em 1860 que a orla em frente à Ilha do Campeche passou a ser conhecida pelo mesmo nome da ilha.

Destaque para a reserva ecológica Lagoinha da Chica e a Lagoinha Pequena, barradas no lado leste por uma faixa de dunas fixas de vegetação rasteira que se estende ao longo da praia. A faixa de areia branca e fina é larga, às vezes com formação de dunas. O mar grosso tem águas frias e de salinidade elevada. As ondas são fortes e as direitas com ondulação sul é muito esperado pelos surfistas. A praia conta com boa infra-estrutura sendo bem servido por pousadas, hotéis, comércio em geral, bares e restaurantes. O local mais badalado da praia pelos jovens e praticantes de esportes, é o Riozinho que pode se chegar pela Avenida do Campeche ou pela praia.

Como chegar: Fica a 15 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Sul (via túnel – sentido sul da ilha). Passe por cima do elevado da Seta siga pela SC405 em direção à Praia do Campeche. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Lagoa do Peri

A Lagoa do Peri possui uma superfície de 5 km2 e é a maior lagoa de água doce do litoral Catarinense. A Floresta com mata Atlântica e a vegetação litorânea cobrem grande parte da área do parque. São elas que protegem o solo contra a erosão, mantém a reserva de água doce e dão abrigo a uma rica fauna aquática e terrestre. Sua bacia hidrográfica foi tombada como Patrimônio Natural em junho de 1976 e o Parque Municipal foi criado e regulamentado no período de 1981 a 1982. A Lagoa do Peri possui ainda trilhas que dão acesso às cachoeiras. O local tem boa infra-estrutura para passar o dia em família, e conta com um bar e restaurante.

Como chegar: Fica a 24 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Sul (via túnel – sentido sul da ilha). Passe por cima do elevado da Seta siga pela SC405 em direção à Praia da Armação. Após a vista do Morro das Pedras, siga e encontrará a entrada do Parque Municipal da Lagoa do Peri à direita. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia do Morro das Pedras

Parada obrigatória para quem vai para o Sul da Ilha em direção à Praia da Armação. Vale a pena parar na Praia do Morro das Pedras para ver as ondas quebrando sobre grandes pedras. Praia bastante freqüentada por surfistas que apreciam suas ondas fortes. O Morro das Pedras é um local muito bonito, com vista ao lado direito, para a Praia da Armação e à esquerda a Praia do Campeche. Quem sobe o morro, do lado direito da estrada, pode chegar até o antigo Retiro dos Jesuítas, casa que foi construída com pedras extraídas desta praia. Lá do alto, é possível apreciar a vista para o Morro das Pedras e a Lagoa do Peri.

Como chegar: Fica a 22 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Sul (via túnel – sentido sul da ilha). Passe por cima do elevado da Seta - siga pela SC405 em direção à Praia da Armação. Após passar o início da Praia do Campeche, já é possível visualizar a Praia do Morro das Pedras. Tenha muito cuidado ao atravessar a estrada, pois o estacionamento ficado lado esquerdo (lado do mar). Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia de Naufragados

Localizada no extremo sul da Ilha, e com 1,45 km de extensão, a origem do nome da praia, surgiu devido aos naufrágios que ocorreram nesta região. O acesso à praia só pode ser feito através de uma trilha de 3 km ou 10 minutos pelo mar (barco) saindo da Praia da Caieira da Barra do Sul. Com sua pequena estrutura de serviços, geralmente é muito procurada pelos adeptos às aventuras. Apresenta uma larga faixa de areia, águas limpas, frias e mar agitado. Perto do centro da praia encontra-se a foz da Cachoeira dos Naufragados. Há perto do Farol uma bateria de canhões fiscalizada pelo Exército Nacional.

Como chegar: Fica a 40 km do centro mais 3 km de trilha, seu acesso se dá pela Beira Mar Sul (via túnel – sentido sul da ilha). Passe por cima do elevado da Seta - siga pela SC405 e depois pela SC401 em direção ao Ribeirão da Ilha. Siga até o final da estrada e chegue à Caieira da Barra do Sul. São duas as opções: trilha ou pelo mar (barco). Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia do Pântano do Sul

A praia do Pântano do Sul é uma das mais tradicionais colônias de pescadores da Ilha, conservando ainda as características nativas do lugar, no linguajar, nos pescadores que jogam suas redes ao mar, no jeito de ser e viver dos autênticos ‘manezinhos’ da ilha.

Na praia localiza-se uma das importantes reservas arqueológicas da Ilha, com um sítio de arte rupestre. A faixa de areia é larga, ótima para caminhar até o costão, onde está o sítio arqueológico, apreciando a paisagem e a história local.

O mar é geralmente calmo, areias fofas e um pouco mais escuras em seu costão esquerdo (ponto de chegada à praia). Já no seu lado direito, junto à praia dos Açores, é relativamente agitado, propício para a prática do surf.

A faixa de areia está quase sempre úmida em função das marés. No Pântano do Sul podem-se saborear frutos do mar, servidos em restaurantes que preservam a simplicidade e o bem servir, como o famoso Bar do Arante, onde milhares de bilhetes com recados de visitantes são colados nas paredes e teto há décadas.

Como chegar: Fica a 28 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Sul (via túnel – sentido sul da ilha). Passe por cima do elevado da Seta siga pela SC405 e depois pela SC406 até o seu final em direção à Praia do Pântano do Sul. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia do Ribeirão da Ilha

A origem do nome é devido a um rio, o qual nasce nas águas de uma forte cachoeira no Alto Ribeirão. É composto por diversas praias pequenas banhadas pela baía sul - com águas calmas e areia grossa. O Ribeirão é um dos povoados mais antigos e tradicionais de Florianópolis, que mantém o mais antigo e fiel valor histórico arquitetônico açoriano da Ilha, com seus casarios antigos, a Igreja Nossa Senhora da Lapa do Ribeirão e o Eco-Museu do Ribeirão fica em uma casa açoriana, construída em 1921, junto a um engenho artesanal de farinha e mandioca, com acervo de peças e documentos que retratam os fatos da história da região.

Com suas fazendas marinhas, a comunidade é hoje uma das mais importantes produtoras de ostras e marisco em cativeiro, cujas sementes são fornecidas pela Universidade Federal de Santa Catarina. Sendo atualmente sua economia baseada nesta atividade.

O local possui excelentes restaurantes especializados em frutos do mar, incluindo as maravilhosas ostras e mariscos.

Como chegar: Fica a 27 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Sul (via túnel – sentido sul da ilha). Passe por cima do elevado da Seta - siga pela SC405 e depois pela SC401 em direção ao Ribeirão da Ilha. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia do Saquinho

A comunidade da Praia do Saquinho é uma das últimas mais isoladas da Ilha. Localizada ao sul da praia do Pântano do Sul e é considerada área de preservação permanente.

A denominação refere-se à formação da costa, que se estende no mar. É uma região íngreme e de solo irregular que pode ser acessada a pé, pela Praia da Solidão e pela Praia dos Naufragados, ou também pelo mar (barco). A praia é de mar aberto, com areia fina e branca, possui uma pequena enseada, com horizonte aberto, e adornado por algumas rochas. Destaca-se um costão de pedras, chamado de Ponta do Pasto.

O local é ideal para aqueles que procuram tranqüilidade e contato próximo a natureza e que não estão em busca dos confortos das grandes cidades. A praia é muito freqüentada por surfistas. A população do local é de poucas dezenas de moradores, não havendo água encanada nem energia elétrica.

Como chegar: Fica a 30 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Sul (via túnel – sentido sul da ilha). Passe por cima do elevado da Seta siga pela SC405 e depois pela SC406 até o seu final em direção à Praia do Pântano do Sul, ao término do asfalto, antes de Pântano, vire à direita em direção à Praia dos Açores. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia da Caieira da Barra do Sul

Sua denominação vem da produção da cal. As conchas eram retiradas de extensos depósitos milenares, colocadas em uma cova em camadas intercaladas com lenha. Ateava-se fogo e a cal resultava das conchas calcinadas. Esta foi por muito tempo uma das principais atividades econômicas do lugar. Caieira da Barra do Sul é a última comunidade ao sul da Ilha de Santa Catarina. Em alguns trechos da estrada de acesso à comunidade, há casas em estilo colonial, reportando o visitante a uma volta ao passado.

A praia apresenta pequenas formações de dunas e o estuário da Cachoeira, denominada Cachoeira Grande. Localizada na Baía Sul da Ilha, possui águas calmas. Tem saída de embarcações até a Praia dos Naufragados e à Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição da Barra do Sul. Há pouca estrutura de bares e restaurantes.

Como chegar: Fica a 39 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Sul (via túnel – sentido sul da ilha). Passe por cima do elevado da Seta - siga pela SC405 e depois pela SC401 em direção ao Ribeirão da Ilha. Siga até o final da estrada e chegue à Caieira da Barra do Sul. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia da Solidão

A Praia da Solidão também é conhecida com Rio das Pacas, nome do rio que desemboca na praia, devido à grande quantidade de pacas que se encontrava no local, e Solidão pelo ato de ela ser de difícil acesso no passado e pouco habitado. Águas cristalinas e mansas, mesmo aberta ao oceano, o rio ameniza as ondas. Existem poucas casas de nativos e diversas de veraneio. Há alguns bares simples que servem refeições. Bastante procurada pelas belezas naturais e tranqüilidade, a praia possui mar normalmente bravo, areias brancas e suaves declive.

No lado direito da praia, em meio à vegetação, há um costão, onde se forma uma cachoeira com um grande poço, resultando numa piscina natural, onde se pode tomar um gostoso banho gelado.

Como chegar: Fica a 30 km do centro mais 1 km de trilha, seu acesso se dá pela Beira Mar Sul (via túnel – sentido sul da ilha). Passe por cima do elevado da Seta siga pela SC405 e depois pela SC406 até o seu final em direção à Praia do Pântano do Sul, até onde chega a estrada de acesso - a partir daí é feita pó uma trilha para chegar até a Praia do Saquinho. Tem outra trilha de acesso saindo da Praia dos Naufragados. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia Brava

A praia está entre as mais requintadas da Ilha. Sendo um balneário planejado com uma boa infraestrutura possuindo hotéis e condomínios de elevado padrão, assim como bares e restaurantes de ótimo nível. Antes de se chegar à Praia Brava, pode-se ter uma visão deslumbrante de toda praia, através de um mirante localizado no topo do morro. O mar agitado oferece boas condições para a prática do surf, e suas águas límpidas e cristalinas possuem excelentes condições para mergulhar.

Como chegar: Fica a 38 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC401 sentido praias do norte. Ao chegar à rótula da Praia de Canasvieiras, vire à direita (Cartódromo) – siga até o trevo da Ponta das Canas, vire à direita e siga até o final. Siga as placas de indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia da Cachoeira do Bom Jesus

Localizada entre as praias de Ponta das Canas e Canasvieiras, seu nome é devido ao Morro do Bom Jesus, onde nasce uma cachoeira. Com larga faixa de areia, água calma e cristalina, areia branca e fina, atrai muitos visitantes em alta temporada. O mar com ondas pouco expressivas proporciona a prática de esportes aquáticos como: vela, esqui e jet-ski.

A praia tem boa infraestrutura, com vários hotéis, pousadas e restaurantes.

Como chegar: Fica a 30 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC401 sentido praias do norte. Ao chegar à rótula da Praia de Canasvieiras, vire à direita (Cartódromo) – siga até a Cachoeira do Bom Jesus. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia de Cacupé

Localizada entre os morros, serra e mar, Cacupé vem do vocábulo indígena, tupi-guarani, que significa verde por trás do morro. É composta de pequenas praias com areias grossas e amareladas e de mar calmo, compondo um cenário agradável e tranqüilo.

Sua comunidade mantém a tradição açoriana. Seus poucos moradores cultivam a pesca na região. Com seu visual surpreendente e uma linda vistam da ponte Hercílio Luz, é um ótimo local para descansar. O turismo não é muito difundido no local, por não ter uma badalação comparado com outras praias. Apresenta pouca estrutura, mas oferece alguns restaurantes e acomodações. Possui um casario açoriano, e também é conhecida pelo cultivo de ostras.

Na praia localiza-se uma Colônia de Férias do SESC.

Como chegar: Fica a 11 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC401 sentido praias do norte. Após passar o Bairro Saco Grande, chegando ao acesso à Cacupé, vire à direita, contornando a SC, e em seguida entrando novamente à direita. Siga as placas indicativas, o acesso é bem, sinalizado.

Praia de Canasvieiras

A praia de Canasvieiras possui faixa de areia estreita, águas são calmas e quentes, ideais para tomar banho e praticar esportes aquáticos. Principal reduto dos argentinos e uruguaios em Florianópolis, tanto que no verão a língua portuguesa fica misturada com a espanhola, originando um chamado ‘portunhol’. A praia é um dos pontos mais agitados da Ilha, durante o dia e a noite. Em frente a esta bela praia, pode-se ter uma vista da Ilha do Francês.

Uma excelente opção são os passeios de escunas que saem diariamente em direção a Baía dos Golfinhos para uma visita a Ilha de Anhatomirim onde está localizada a Fortaleza de Santa Cruz, construída no século XVIII. Outra opção é a locação de equipamentos para a prática de esportes aquáticos.

O local possui uma completa infra-estrutura, com hotéis, campings, pousadas, albergue de juventude, além de bancos, lojas e supermercados.

A Praia de Canasvieiras parece uma cidade, que fica lotada no verão, dispensando aos turistas a ida até o Centro, por oferecer variadas opções de lazer, divertimento, gastronomia e compras.

Como chegar: Fica a 27 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC 401 sentido praias do norte. Siga até a Praia de Canasvieiras. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia da Daniela

Com suas águas claras e mar calmo, sem ondas e de areias finas, é muito procurada por famílias com crianças. Antigamente era chamada de Pontal, devido à sua estrutura geográfica. Com declive suave, faz com que a praia tenha pouca profundidade, oferecendo um mínimo de risco para as crianças. Do ‘centro’ da praia, cruzando-se algumas pedras, há duas pequenas praias também de mar bastante calmo.

Para quem quer fazer uma caminhada, pode-se seguir pela areia até o canto esquerdo da praia, onde há um manguezal, ou, no lado oposto, vencendo-se algumas pedras e pequenas praias, ir até a Praia do Forte, onde está localizada da Fortaleza de São José da Ponta Grossa.

A tranqüilidade do local e as águas esverdeadas formam um cenário convidativo aos que procuram por lugares menos movimentados e mais silenciosos. Daniela é uma baía de águas com temperatura muito agradável, e seu acesso é fácil, através de suas ruas largas, nas quais transitam moradores e veranistas.

Como chegar: Fica a 26 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC401 sentido praias do norte. Siga até o viaduto de acesso à Praia de Jurerê. Siga em frente pela SC402 até a Praia da Daniela. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia do Forte

Localizada entre as Praias da Daniela e Jurerê, é cercada por pequenos costões, de mar calmo, águas quentes e com grande faixa de areia, é ideal para famílias. A praia é relativamente pouco freqüentada, excelente para quem procura sossego. O local possui alguns bares com estrutura simples. Praia do Forte leva este nome pelo fato de no local situar-se a Fortaleza de São José da Ponta Grossa. Construída no século XVIII, no alto do Morro da Ponta Grossa, para defender a Ilha de Santa Catarina dos invasores. A fortaleza é aberta aos visitantes, mediante o pagamento de ingresso. Em tempos primitivos, a Praia do Forte servia de apoio para os moradores locais na pesca, e na entrada e saída de barcos. Na atualidade, há o turismo de balneário, histórico e cultural. A praia conserva as características de águas mansas, que mais parecem uma grande piscina esverdeada.

Como chegar: Fica a 27 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC 401 sentido praias do norte. Siga até o viaduto de acesso à Praia de Jurerê/Daniela. Vire à direita para Jurerê Internacional. Siga até o final e vire à esquerda, seguindo até o ponto final do ônibus (Clube 12). Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia dos Ingleses

Localizada entre a Praia Brava e do Santinho. Existem duas versões para o seu nome: 1º o naufrágio de uma embarcação inglesa ou 2º o fato do primeiro morador da praia ser de naturalidade inglesa. A praia é uma das mais urbanizadas da Ilha, possuindo maior infra-estrutura para abrigar os turistas: hotéis, pousadas, campings, casas de aluguel, bares, restaurantes, lan house, terminais para saque de dinheiro, mercados, posto de saúde, clínicas médicas, farmácias, entre outros serviços. Praia de mar aberto possui mar um pouco agitado no seu lado sul (esquerdo), com boa formação de ondas para os surfistas. Do centro da praia ao norte seu mar fica mais calmo, sendo este o ponto preferido dos banhistas. É uma das praias preferidas pelos argentinos e uruguaios. Devido sua grande extensão, é ideal para uma caminhada ao final de tarde à beira do mar.

Nos meses mais frios, a principal atividade dos moradores é a pesca. Ao final da praia (canto direito) é possível comprar peixes fresquinhos capturados pelos pescadores locais.

Como chegar: Fica a 36 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC401 sentido praias do norte. Vá até o trevo que também dá acesso à Canasvieiras e vire à direita (Ilha Shopping) – SC402 até a Praia de Ingleses. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia de Jurerê

O mar é calmo e geralmente com águas mornas. Do lado direito fica Jurerê Tradicional, com boa infraestrutura, hotéis, pousadas, mercado, bares, restaurantes e serviços. No lado direito desta praia, situa-se uma sede do Iate Clube Veleiros da Ilha, onde é possível avistar vários veleiros e lanchas atracados.

Do lado esquerdo fica Jurerê Internacional, como é chamada a parte mais nova e planejada da praia, com residências e condomínios de luxo, sendo um dos pontos mais nobres de Florianópolis. Possui uma infraestrutura completa, com clubes, open shopping e seus famosos beach lounges. Devido à tranqüilidade de suas praias, Jurerê atrai muitas famílias, sendo ideal para as crianças. A praia também é excelente para a prática de esportes aquáticos e para uma caminhada no final do dia. No verão ocorrem vários eventos de vôlei em suas areias. A praia é repleta de casas de veraneios, e possui alguns hotéis e pousadas de luxo.

Possui excelentes bares e restaurantes que servem seus clientes à beira da praia.

A praia também é acesso (canto esquerdo de Jurerê Internacional) à Fortaleza de São José da Ponta Grossa, construída no século XVIII, no alto do Morro da Ponta Grossa, para defender a Ilha de Santa Catarina dos invasores.

Quem chega a Jurerê se encanta com o movimento de turistas no verão, seja de dia ou à noite, pois o visual desta praia que parece mais com uma cidade, tamanha a sua urbanização e serviços oferecidos.

Como chegar: Fica a 23 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC401 sentido praias do norte. Ao acessar o elevado que leva à Praia de Jurerê e Daniela, siga pela SC402. Na primeira rótula à direita, leva a Jurerê Tradicional e a segunda a Jurerê Internacional. Lembrando que ambas são ligadas internamente. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia da Lagoinha da Ponta das Canas

Praia com mar calmo, águas azuis e cristalinas, é ideal para famílias curtirem um banho de mar com tranquilidade. Ótima para a prática de mergulho. Antiga colônia de pescadores, a praia é de pequena extensão, mas com uma beleza encantadora. Com pouca estrutura comercial (que pode ser encontrada nas praias próximas), tem boa possibilidade de hospedagem e algumas opções de restaurantes à beira da praia e arredores.

Ao longo dos séculos, ação dos ventos e das águas abriu um canal de ligação com o mar, que acabou com o isolamento da lagoa, formando uma passagem, que separa a praia de Ponta das Canas das praias vizinhas. Hoje a Lagoa é um estuário, dividido entre mar e água doce, pois é formada pela união de diversos pequenos rios que nela deságuam.

Como chegar: Fica a 37 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC 401 sentido praias do norte. Ao chegar à rótula da Praia de Canasvieiras, vire à direita (Cartódromo) – siga até o trevo da Ponta das Canas. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia da Ponta das Canas

Esta praia foi uma das primeiras a serem habitadas, uma vez que, historicamente, em função de defender a ilha contra os ataques espanhóis, o norte foi ocupado em maior escala do que o sul. O nome da praia é devido a uma ponta de areia, de parte argilosa com pedras, junto a qual havia um canavial. Ocupada na temporada de verão principalmente por argentinos e uruguaios, é bem servida de bares e restaurantes, assim como hotéis, pousadas e outros serviços.

Com areia branca e fina é uma praia tranquila e muito frequentada por famílias com crianças. É uma boa opção para a prática de esportes aquáticos. O local possui uma colônia de pescadores, sendo possível apreciar frutos do mar em restaurantes à beira mar.

Como chegar: Fica a 34 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC 401 sentido praias do norte. Ao chegar à rótula da Praia de Canasvieiras, vire à direita (Cartódromo) – siga até o trevo da Ponta das Canas e vire à esquerda. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia de Sambaqui

De origem indígena, Sambaqui significa cemitério, que consiste num depósito de areias, conchas e restos de esqueletos, o que comprovam a existência em tempos remotos de habitantes primitivos no local. Sambaqui pertence ao distrito de Santo Antônio de Lisboa. É uma praia de águas claras e muito calmas, sem muito agito durante o dia, sendo uma ótima opção para quem procura tranqüilidade e descanso. A localidade desenvolveu-se como um tradicional vilarejo de pescadores e ainda hoje preserva as tradições e costumes açorianos, através das festas religiosas e grupos de danças folclóricas, como a dança do boi-de-mamão.

Em Sambaqui a atividade pesqueira é bastante forte entre os moradores, sendo comum ao fim da tarde ver em suas águas, pescadores jogando suas tarrafas feitas artesanalmente. Uma visita a Sambaqui é uma visita ao passado.

O local possui vários bares e restaurantes a beira mar que oferecem pratos típicos a base de frutos do mar, que proporcionam um visual maravilhoso ao visitante com uma bela vista do centro de Florianópolis.

Na praia de Sambaqui também são cultivadas ostras e mariscos, consumidas no local e em toda a região de Florianópolis.

Como chegar: Fica a 17 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC 401 sentido praias do norte. Entrar no acesso à Santo Antônio de Lisboa. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia do Santinho

Localizada no extremo norte da Ilha, é principalmente procurada por turistas que procuram tranqüilidade e gostam de contato com a natureza, sem perder o conforto. Local de conservação das raízes açorianas, em uma grande área de preservação ambiental. Possui trilhas ecológicas, vegetação nativa e um núcleo de recuperação da mata atlântica. Há uma larga faixa de areias claras e macias, e um museu arqueológico a céu aberto, com as inscrições rupestres com mais de 5 mil anos, encontradas no costão direito da praia, mantido por um complexo turístico estabelecido no local. Praia com características oceânicas: ondas fortes e longas, o que atrai os surfistas. Nesta praia está localizado o complexo de um dos mais premiados Resorts do Brasil.

Como chegar: Fica a 40 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC 401 sentido praias do norte. Vá até o trevo que leva à Canasvieiras e Ingleses, vire à direita (Ilha Shopping) - SC 402 em direção à Praia de Ingleses e Santinho. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia de Santo Antônio de Lisboa

Santo Antônio de Lisboa é um que remete ao passado. Um lugar tranqüilo, natureza bela e encantadora, e reconhecida gastronomia. Fundada em 1752 pelos primeiros açorianos que conquistaram a Ilha, é um local com arquitetura colonial, onde se localiza a primeira rua calçada da Ilha. Foi, antigamente, o principal ponto de ligação marítima com o Centro da capital. Nos últimos anos, tem se destacado o cultivo de ostras e mariscos. É possível, ao anoitecer, ver as luzes do Centro refletindo sobre as belas e calmas águas de Santo Antônio de Lisboa. Diversas lojas de artesanato regional e diversos restaurantes especializados em frutos do mar com vista para o mar, ideais para curtir o pôr-do-sol. Confira a feira de artesanatos aos domingos.

Seu núcleo histórico é protegido como Área de Preservação Cultural. Uma opção é visitar a Casa Açoriana (próximo à Igreja), onde se pode conhecer um pouco mais da colonização e costumes do povo local. Destaca-se a igreja de Nossa Senhora das Necessidades, construída entre 1750 e 1756, em estilo barroco.

Como chegar: Fica a 13 km do centro, seu acesso se dá pela Beira Mar Norte, subindo o elevado Vilson Kleinubing (CIC). Siga pela SC401 sentido praias do norte. Entrar no acesso à Santo Antônio de Lisboa. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia da Saudade

Com aproximadamente 650 metros de extensão, com águas geralmente calmas, a bela praia também chamada de Praia dos Coqueiros assumiu características de balneário de classe média a partir dos anos 40 e ocorreu até que ocorreu uma grande oferta de balneários maiores e água com melhor qualidade. Atualmente ações estão sendo tomadas para recuperar a qualidade da água da praia. A expansão do bairro de Coqueiros foi bastante rápida, sendo na atualidade um bairro grande e organizado com cinco praias e bairros muito bem organizados e com uma boa infraestrutura. Destaca-se como lazer o Parque de Coqueiros que fica no início do bairro, e a Via Gastronômica de Coqueiros com uma variada opção de restaurantes e bares.

Como chegar: Fica a 2 km do centro, seu acesso se dá pela Via Expressa (para quem está chegando à Florianópolis) vire à direita antes de chegar à ponte, ou saindo da Ilha, vire à direita logo após terminar a ponte. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia do Meio

Também chamada de Praia dos Coqueiros, com de mar calmo e areia mais grossa e amarelada, sua baía tem aproximadamente 395 metros de extensão. É uma praia urbana em bairro residencial. Assumiu por volta dos anos 40 sua denominação de Praia do Meio, uma vez que ficava ao meio da Praia de Coqueiros. O visual desenhado por sua baía é um convite para contemplar o belo cenário do local.

Como chegar: Seu acesso se dá pela Via Expressa (para quem está chegando à Florianópolis) vire à direita antes de chegar à ponte, ou saindo da Ilha, vire à direita logo após terminar a ponte. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia do Bom Abrigo

Localizada na parte do continente do município de Florianópolis, em bairro de mesmo nome, fica distante 6 km do centro. Praia com águas calmas, e margeadas por árvores, forma uma paisagem agradável e tranqüila. Ótimo lugar para boas caminhadas, prática de esportes e para passar um belo final de tarde.

Como chegar: Seu acesso se dá pela Via Expressa (para quem está chegando à Florianópolis) vire à direita antes de chegar à ponte, ou saindo da Ilha, vire à direita logo após terminar a ponte. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia das Palmeiras

A praia é uma obra da natureza, com suas águas calmas e pequena faixa de areia. Com 300 metros de extensão, fica entre as praias de Itaguaçu e Bom Abrigo. Possui diversas pedras imersas, de tamanhos e formas diferentes, deixando a paisagem com uma beleza peculiar.

Como chegar: Seu acesso se dá pela Via Expressa (para quem está chegando à Florianópolis) vire à direita antes de chegar à ponte, ou saindo da Ilha, vire à direita logo após terminar a ponte. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Praia de Itaguaçu

Suas águas são tranqüilas e rasas, com muitas pedras dentro d’água. Seus moradores são os maiores freqüentadores, que tomam banhos de sol ou bebem cerveja com os amigos no final da tarde, em um ambiente agradável.

O nome Itaguaçu é de origem tupi e quer dizer literalmente "Viveiro de Pedras Grandes" ou "Lugar onde há Pedras Grandes". Estas pedras constituem interessantes formações de granito à beira da praia de Itaguaçu e em meio ao mar da Baía Sul, havendo mesmo uma lenda que conta de bruxas que teriam sido petrificadas, dando origem às pedras, uma das quais parece ter um chapéu, e também há um conjunto de 6 pedras que formam um tipo de um círculo com uma sétima pedra no meio (alusão a ritual satânico). Os Bares e restaurantes também são uma atração à parte.

Como chegar: Seu acesso se dá pela Via Expressa (para quem está chegando à Florianópolis) vire à direita antes de chegar à ponte, ou saindo da Ilha, vire à direita logo após terminar a ponte. Siga as placas indicativas, o acesso é bem sinalizado.

Clima
Ondas

Bela Floripa © 2013 - Todos os direitos reservados